Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

26/07
Tecnologia: Saiba por que o uso de biotecnologia na agricultura cresce a cada ano

Tecnologia: Saiba por que o uso de biotecnologia na agricultura cresce a cada ano

A sustentabilidade agrícola é essencial para a longevidade dos cultivos e, consequentemente, para a segurança alimentar da população. A promoção deste equilíbrio, aliada ao incremento de produtividade e qualidade do alimento, exige atualização constante das práticas de manejo. Diante disso, os produtores brasileiros têm inserido, cada vez mais, a biotecnologia nos seus processos de produção. As soluções buscam potencializar os recursos naturais já existentes, por meio do uso de componentes da própria natureza.

“Temos a premissa de quanto mais natural melhor. Para isso, procuramos maximizar os recursos naturais disponíveis. Os resultados no campo são melhores quanto menos interferimos no meio. E quando há a necessidade da interferência, é necessário ser extremamente efetivo. Hoje ‘menos é mais’”, explica o engenheiro agrônomo Leonardo Porpino, gerente técnico nacional da Alltech Crop Science. Nos últimos anos, a empresa, que desenvolve soluções naturais para os desafios da agricultura, apresenta média de crescimento de aproximadamente 30% no Brasil.

A biotecnologia pode ser aplicada durante todo o ciclo produtivo da cultura, desde os cuidados com o solo até a maturação dos cultivos, tanto para grãos quanto para hortifrúti. Os produtos são fertilizantes e soluções à base de polissacarídeos oriundos de processos de fermentação, extratos vegetais e macro e micronutrientes complexados por aminoácidos essenciais, formulados conforme a necessidade de cada etapa.

“Fornecer os minerais já complexados por aminoácidos faz com que a planta economize energia nesse processo, podendo redirecionar para o seu desenvolvimento. Além disso, a complexação permite que os nutrientes sejam absorvidos mais facilmente do que se fossem aplicados de maneira elementar”, explica o especialista. Com estes cuidados nutricionais, Porpino ressalta que é possível promover qualidade e incremento na produtividade.

Outro ponto importante é o fornecimento de precursores hormonais inespecíficos, que potencializam o metabolismo do vegetal e deixam a planta em condições mais equilibradas. “Por serem inespecíficos eles estimulam a planta a produzir o hormônio necessário naquele momento e na quantidade adequada”, destaca o engenheiro agrônomo. A atenção nesse aspecto auxilia o produtor a atingir os índices qualitativos exigidos pelo mercado, como padronização de cor, tamanho e sabor.

O uso destas ferramentas também traz benefícios para o consumidor. “As soluções naturais auxiliam no uso racional de defensivos e consequentemente contribuem para o fornecimento de alimentos mais saudáveis”, afirma Porpino. “Isso acontece porque a biotecnologia busca entender a planta, o ambiente e os problemas, tentando encontrar a maneira mais natural para promover resultados satisfatórios economicamente, socialmente e ambientalmente”, complementa.

Do início ao fim

Com um portfólio composto por mais de 20 soluções, a Alltech Crop Science possui quatro linhas de produtos. A Linha Solo, lançada recentemente pela empresa, busca condicionar a planta a absorver e aproveitar melhor os elementos. Já a Linha Proteção tem o objetivo de manter o equilíbrio nutricional contribuindo para um cultivo mais saudável. Completam o portfólio ainda a Linha Nutrição, que fornece à planta elementos essenciais complexados por aminoácidos, facilitando a absorção dos nutrientes, e a Linha Performance, que proporciona balanceamento hormonal ao vegetal.

De acordo com Porpino, o desenvolvimento de todo o portfólio é baseado em pesquisas. “A Alltech Crop Science desenvolve parcerias institucionais com órgãos de pesquisas e universidades nas mais diversas regiões do Brasil buscando sempre, na pesquisa, o desenvolvimento de tecnologias naturais inovadoras, capazes de resolver os problemas existentes no campo com o mínimo possível de interferência, por meio de testes em laboratórios e ensaios de campo que comprovem o resultado”, finaliza.

Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA