Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

06/10
Tecnologia de Aplicação de Defensivos e Uso de Adjuvantes

Tecnologia de Aplicação de Defensivos e Uso de Adjuvantes

Na agricultura moderna e competitiva, os agricultores devem fazer a sua parte e estar cada vez mais atentos às inovações, e trabalhar para evitar custos maiores, perdas de produtividades e buscar rentabilidade.

Entretanto, mesmo com o avanço da tecnologia de aplicação, aliada ao uso de produtos fitossanitários de grande eficiência e os maquinários de última geração, produtores ainda deixam de ganhar. Eles não sabem o quanto estão perdendo nas suas lavouras, em função de diversos problemas que influenciam diretamente a ineficiência na aplicação dos produtos agroquímicos. A aplicação de defensivos agrícolas e fertilizantes nas lavouras, com o auxílio do pulverizador, é de fundamental importância para a agricultura, já que é através deste equipamento que se consegue fazer o controle de pragas e doenças e complementar a nutrição das plantas, tornando viável a produção agrícola. 

fig 01

Conceito de Tecnologia de Aplicação – “Emprego de todos os conhecimentos científicos que proporcionem a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo, em quantidade necessária, de forma econômica e com o mínimo de contaminação de outras áreas.” (Matuo, 1990).

Devemos considerar 05 fatores que agem diretamente na eficácia da aplicação: PRAGA > PRODUTO > MÁQUINA > MOMENTO > AMBIENTE.
Independente do tipo de equipamento utilizado, sempre que for realizar uma pulverização, é muito importante ter em mãos o catálogo dos bicos de pulverização. Esses bicos podem operar com pressões diferentes, o que permite obter diferentes vazões de aplicação e tamanho de gotas!

Portanto, para que o produto químico seja aplicado na quantidade certa é indispensável que o pulverizador esteja bem regulado e, para isso, o agricultor necessita conhecer alguns termos básicos relacionados à operação de pulverização:

Bicos de pulverização – São dispositivos colocados na saída dos pulverizadores para transformar o líquido de pulverização em pequenas gotas e distribuí-las uniformemente na faixa desejada. No mercado, encontram-se os seguintes tipos de bicos: cone, leque e especiais (antideriva, injeção de ar, defletores, raindrop, etc..);

Volume de pulverização depende do tipo de equipamento, do tipo de produto químico, do estádio de desenvolvimento da cultura, da formulação do produto químico e das condições climáticas. Mais importante do que determinar o volume de pulverização, é avaliar o tamanho e a quantidade de gotas que atingem o alvo:

– Produtos sistêmicos (herbicidas): gotas de 200 a 400 micras;
– Produtos de contato (inseticidas e fungicidas): gotas de 100 a 200 micras;

fig 02

Avaliação Papel Hidro Sensível
Naft: 50 mL/ha
Volume de Aplicação : 30 L/ha
DMV (µm): 137,2
Densidade (N/cm²): 134,6
Área coberta: 4,2%
PRD: 59,9

Para boa homogeneização da calda, é importante seguir uma ordem de colocação dos produtos no tanque (vide tabela abaixo):

fig 03

O agricultor precisa saber também, alguns fatores que determinam o resultado da pulverização (vide tabela abaixo):

fig 04

Conceito de Adjuvante “Qualquer substância ou composto sem propriedades fitossanitárias, exceto a água, que é acrescido numa preparação da calda de agrotóxico, para facilitar a aplicação, aumentar a eficácia ou diminuir riscos.” (Kissmann, 1998)
São vários os tipos de adjuvantes: Óleo Mineral e/ou Vegetal, Silicones, Surfactantes, Emulsificantes, Nitrogênio e Fósforo, Resinas Orgânicas, EDTA, Óleos Essenciais, etc… Porém, é imprescindível classificá-los de acordo com seus benefícios:

– Utilitários: melhoram a qualidade da calda – Tensão Superficiale Viscosidade). Principais efeitos: a) reuzir formação de espuma; b) acidificante e tamponante depH; c)conter um quelatizante para sequestrar cátions; d) redutor de deriva; e)conter dispersante para homogeneizar a calda e diminuir o entupimento de filtros, peneiras e bicos;

– Potencializadores: melhoram a qualidade da aplicação – Tamanho de Gotas e Espalhamento. Principais efeitos: a) surfactantes que fazem espalhamento da gota sobre a folha; b) umectantes que reduzem a evaporação; c) emulsificantes que aumentam a velocidade de absorção dos produtos aplicados; d) Adesivo que evitam escorrimento da calda aplicada sobre as folhas;

A empresa Bio Soja, lançou o produto NAFT ® (resina orgânica), que comercializado para mais de 7 milhões de hectares em 2014. Demonstrações realizadas para produtores, comprovam que o NAFT® tem o mais potente efeito redutor de deriva e umectante dentre os concorrentes no mercado, hoje!