Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

14/11
Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa encerra no final deste mês

Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa encerra no final deste mês

Está em vigor a segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul. De acordo com o site da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Estado, a meta é chegar a uma cobertura vacinal superior a 90%. A primeira etapa, em maio, teve cobertura vacinal de 98,92% do rebanho. Deverão ser imunizados bovinos e bubalinos de zero a 24 meses de idade. O prazo encerra no dia 30 de novembro.

A febre aftosa é uma doença grave, altamente contagiosa, responsável por grandes prejuízos econômicos e sociais. Afeta principalmente bovinos e bubalinos de todas idades, podendo afetar também animais de cascos bipartidos, como suínos, ovinos e caprinos. A doença pode ser transmitida através do contato direto com outros animais infectados pelo vírus ou por alimentos e objetos contaminados.

No caso da existência de sinais clínicos como babeira, manqueira, feridas na boca, cascos em bovinos, búfalos, caprinos, ovinos, suínos, o produtor deve comunicar imediatamente ao Serviço de Defesa Sanitária Animal, por meio dos escritórios locais (Inspetorias Veterinárias). É obrigatória a notificação imediata de todas as suspeitas da doença. Vale ressaltar também que a vacinação é obrigatória e acontece conforme o calendário oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Após a vacinação, o produtor deverá apresentar a nota fiscal de compra e declaração do dia da imunização, bem como a quantidade de animais vacinados, por categorias, nas Inspetorias ou Escritórios de Defesa Agropecuários da SEAPA/RS. A comprovação deve ser executada durante as etapas de vacinação, ou em até 05 dias após o término oficial da etapa.

Os produtores rurais que não comprovarem a imunização do rebanho nos períodos estabelecidos pela SEAPA/RS, ficam impedidos de transitar com os bovídeos até que regularizem a vacinação, além de serem penalizados com autuação, conforme estabelecido na Lei Estadual nº 13467/10 e no regulamento, o Decreto Estadual n° 50.072/13.

O ato de vacinação é uma prática que, embora simples, requer cuidados e o conhecimento necessário para a correta aplicação e evitar prejuízos aos produtores e danos aos animais.

O médico veterinário, Maikel Schreiner, destaca alguns cuidados na hora da compra e da vacinação:

a vacina deve ser sempre mantida à temperatura de 02º a 08º, lembrando que não deve congelar;
– é fundamental que permaneça na geladeira e quando o produtor for transportá-las ao local de vacinação dos animais, coloque em uma caixa de isopor com gelo;
– as pistolas e agulhas devem ser higienizadas com água fervente ou álcool, para evitar reações inflamatórias. A higiene e a limpeza são fundamentais para uma boa vacinação;
– agite o frasco antes de usar e aplique a dosagem de 5 ml independente de idade ou tamanho, sendo o local mais indicado é a tábua do pescoço, por via subcutânea ou intramuscular;
– recomenda-se também que a aplicação seja realizada com o animal devidamente contido, em tronco apropriado, evitando aplicações incorretas.

As vacinas contra a febre aftosa podem ser adquiridas nas Lojas Agropecuárias da Cotrisoja em Quinze de Novembro, Ibirubá, Selbach e Tapera. No momento da compra, o produtor deve estar munido com caixa térmica e gelo.