Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

RS pode ter chuva acima da média nos próximos três meses

A precipitação deve ficar acima da média no Estado por pelo menos três meses, conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Em outubro, deve chover cerca de 50mm a mais do que a média mensal nos municípios do Sul, e aproximadamente 100mm no Norte do RS.

– O El Niño indica que deve chover bastante até a metade do ano que vem, mas a tendência é de que a chuva perca intensidade nos últimos meses – afirma o meteorologista do órgão, Rogério Rezende.

A chuvarada prevista para outubro alerta para riscos de alagamentos nos municípios banhados pelo Rio Uruguai. No mês passado, o fenômeno causou transtornos a mais de 60 mil pessoas, em 89 municípios atingidos por temporais. Cerca de mil pessoas tiveram de deixar suas casas.

Para a Defesa Civil do Estado, a previsão reforça a necessidade de cada município investir em planos de prevenção, que vão desde a construção de diques à remoção de famílias em áreas de risco.

– Com isso, os municípios podem captar recursos da União para as obras e linhas de crédito para remoções – diz o subchefe do órgão, tenente-coronel Alexandre Martins de Lima.

A entidade quer estimular para que as cidades tenham planos de contingência, que identificam locais de risco e as ações a serem tomadas em casos de desastres. Embora o número de municípios com o planejamento tenha crescido de 180 para 245 desde janeiro, representa só 49% das cidades gaúchas. Um saldo “muito aquém” do esperado, conforme Lima.

A chuvarada de setembro também causou prejuízo às lavouras do Estado e a queda na produção pode impactar no aumento do preço dos produtos derivados, como o pão. Apesar do reflexo negativo nos alimentos, o El Niño pode aliviar a conta de energia elétrica, já que os reservatórios hídricos não devem sofrer com estiagem.

– Ter água nos reservatórios evita que empresas de energia elétrica peçam novos reajustes – explica Alfredo Meneghetti Neto, economista da Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Fonte: Zero Hora