Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

16/06
Novamente as Incertezas do Plantio das Culturas de Inverno – Trigo.

Novamente as Incertezas do Plantio das Culturas de Inverno – Trigo.

Clima e Mercado.

Mais um ano de incertezas nas culturas de inverno, principalmente na cultura do trigo. Depois de dois anos consecutivos de perdas de produtividade, a incerteza novamente vem para os produtores. Os riscos climáticos e as incertezas nos preços, na liquidez e da produtividade tendem a limitar a escolha do produtor no plantio de trigo este ano. Apesar dos preços serem maiores em relação ao ano passado, os estoques mundiais de trigo e a possibilidade da Argentina aumentar a área de plantio, desfavorece o produtor brasileiro.

O cenário para a próxima safra de trigo pode tomar novos rumos. A expectativa de redução de área não deve se confirmar depois que o governo autorizou o reajuste de 10,5% no preço mínimo do grão, podendo a saca chegar a R$ 38,50. A previsão é da Câmara Setorial de Culturas de Inverno, apostando que a nova cotação estimule os produtores a investir no cereal na próxima safra, especialmente no grão de maior qualidade. O mercado já especula com a possível perda de força do fenômeno El Niño no primeiro semestre de 2016 e, portanto, a chegada de “La Niña” no semestre seguinte. A previsão é baseada em dados dos Escritórios de Metereologia da Austrália e de serviços meteorológicos do Japão. O inverno deste ano deve ser mais frio e menos chuvoso que o do ano passado, que teve influência direta do el Niño. O indicativo é que este ano tenhamos uma estação mais próxima do padrão normal, ou seja, com episódios de frios e chuvas mais intercaladas o que favorece a cultura do trigo. O outono deve ter temperaturas mais baixas que no ano passado, que foi excepcionalmente quente, por causa do El Niño. Desde maio, houve aumento nas ondas de frio, aumentando o risco de geadas.

Sendo assim, decidido o plantio de inverno, o mais indicado aos produtores é procurar cultivares que tenham boas pesquisas de produtividade, vindo de duas safras frustradas, com baixa produção devido aos fatores climáticos, para se ter uma ideia, em 2015 a safra foi de 1,39 milhões de toneladas. O último ciclo com resultado abaixo deste volume foi em 2006, com 728 mil toneladas.

Cultura do Trigo

O trigo no Brasil melhora a lucratividade da propriedade como um todo, ao dividir os custos fixos diretos, como funcionários, arrendamentos, impostos e outros. Esses custos estarão presentes independentemente de quantas culturas estejam envolvidas. Além disso, a cultura do trigo ainda gera benefícios indiretos na fertilidade química, física e biológica do solo, na supressão natural de pragas e na cobertura vegetal da lavoura. Certamente, os benefícios vão além da redução de custos já que as culturas de outono e inverno, como o trigo, são necessárias no manejo de plantas daninhas, pragas e doenças. Elas desempenham a função de alternância de culturas no manejo da fertilidade, da supressão de pragas, plantas daninhas e doenças, no sistema de produção de culturas de verão. Considerando o manejo da cultura, a inserção do trigo permite ainda o aproveitamento dos investimentos efetuados realizados no solo após a colheita, já que eles são reabsorvidos pela cultura seguinte, como a soja.

Os avanços alcançados em melhoramento genético vegetal (novas cultivares) e em tecnologia de produção (práticas de manejo de cultivo e de proteção de plantas) colocaram a triticultura brasileira em alto nível de competitividade, tanto em rendimento de lavoura quanto em qualidade tecnológica do produto colhido. Não obstante esse fato, a triticultura brasileira não está isenta de riscos, especialmente os de natureza climática.

Decidido a plantar trigo este ano? Vamos plantar bem, com boas indicações técnicas, e com uma boa recomendação, começando pela análise de solo, pois é ai que vamos determinar até onde podemos produzir com a estrutura do nosso solo. Determinar a cultivar é muito importante, pois cada uma tem um cuidado especial, ora com doenças e ora com adubação. Devemos ter a consciência de sempre fazer a nossa parte, do plantio até a colheita para se ter a produtividade esperada.
Depois de decidir o plantio alguns tópicos devemos observar:

A escolha da área

Não cultivar trigo suscetível a mosaico em área onde ocorreu o mosaico em safras anteriores;
Evitar plantar trigo em monocultura (lavoura com a presença de palha de trigo) para evitar a doença do mal-do-pé;
Lavouras com infestação de azevém mantém na área o inóculo da mancha amarela e do mal do pé.

A escolha da Cultivar

Procurar cultivares com o máximo de controle sobre as doenças principalmente visando a ferrugem da folha, mosaico do trigo e também as manchas foliares.

O importante de manejar bem nossa lavoura no inverno é um grande benefício para a nossa principal cultura que é a soja, melhorar o manejo da lavoura para controlar as invasoras com os herbicidas disponíveis hoje e não esperar por uma molécula milagrosa, que a indústria não tem previsão de lançar. Uma das ferramentas que traz um bom resultado é a introdução do trigo no manejo da lavoura para controlar de forma barata e eficiente estas invasoras. Vendo desta forma temos em nossa Cooperativa Cotrisoja uma excelente equipe técnica para dar apoio e suporte no que nosso cliente e associado necessitar.

PÁG. 10 _n

Cristina Muller Klaesener Prass
Engenheira Agrônoma