Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

25/05
Mercado tem leves altas em Chicago nesta 5ª feira com frio e chuvas nos EUA

Mercado tem leves altas em Chicago nesta 5ª feira com frio e chuvas nos EUA

Os preços da soja voltam a subir na Bolsa de Chicago nesta quinta-feira (25). Perto de 7h55 (horário de Brasília), os contratos mais negociados registravam ligeiras altas de 0,75 a 2,50 pontos. O vencimento julho/17 é cotado a US$ 9,50 e o novembro/17 a US$ 9,48 por bushel.

A movimentação segue tranquila no mercado internacional e, segundo explica o analista Paul Georgy, da Allendale, parte desses ganhos vem apoiada em recuo do dólar na manhã de hoje. O index, porém, trabalhava com leve alta frente a uma cesta de moedas, subindo 0,11% e valia 97,06 pontos.

O clima no Corn Belt também favorece o avanço, com mais chuvas e frio previsto para os próximos dias. “Ainda não há motivo de preocupação com produtividade, mas apenas com alongamento do ciclo produtivo.  No entanto, algumas regiões estão atrasadas nos trabalhos de plantio e precisam de uma janela maior entre as chuvas para encerrarem a semeadura”, explica o analista de mercado Miguel Biegai, da OTCex Group, de Genebra na Suíça. “Com isso, o mercado está adicionando um pouco de risco climático na soja”, completa.

Biegai explica ainda que, graficamente, a oleaginosa ainda respeita seu suporte nos US$ 9,40. “Isso fica bem evidente olhando que essa cotação foi testada pelo menos 3 vezes desde 11 de abril. No entanto, a média móvel de 9 períodos surge como resistência mais próxima em US$ 9,56 e que, se rompida, pode abrir espaço para buscar US$ 9,70 que é onde está a antiga linha de suporte do canal de alta que vigorava até o fator dólar x real mudar o tom do mercado”, diz o analista.

Os traders aguardam também, ainda nesta quinta, pelos novos números de vendas semanais para exportação a serem trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). As expectativas para a oleaginosa são de 200 mil a 400 mil toneladas na safra velha e mais algo até 150 mil na safra nova.