Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

10/11
Confiança no clima e maior monitoramento

Confiança no clima e maior monitoramento

Na avaliação do assistente técnico estadual da Emater Alencar Rugeri, as primeiras projeções sobre a produção gaúcha de soja no ciclo 2015/2016 são conservadoras, e os números devem ser revisados para cima nos próximos levantamentos.

Segundo Rugeri, a expectativa em ano de El Niño costuma ser de boa produtividade em culturas de sequeiro, já que as quebras de safra normalmente ocorrem devido à falta de água. Ele diz que lembra de apenas uma colheita, em 1983, prejudicada pelo excesso de chuva.

Mais otimista do que o da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o primeiro levantamento Emater, divulgado em agosto, indica produção de 15,2 milhões de toneladas no

Estado. Ainda assim, menor do que na safra passada, que foi de 15,7 milhões. Para garantir a colheita, conforme Rugeri, os agricultores precisam estar atentos à incidência de doenças como a ferrugem, provocada pelo excesso de umidade. A dica é monitorar a lavoura e acompanhar de perto o desenvolvimento.

No ciclo 2015/2016, a Emater irá realizar um trabalho de monitoramento de lavouras em conjunto com a Embrapa. Propriedades em 52 municípios serão visitadas periodicamente pelos técnicos com o objetivo de identificar e barrar o avanço de pragas e doenças. As informações sobre as visitas serão disponibilizadas semanalmente no informativo conjuntural da Emater.

Três dicas para negociar

É aconselhável que o produtor não venda antecipadamente mais de 40% do que espera colher, pois um evento climático inesperado, como a falta de chuva, pode provocar quebra de produção.

O ideal é que a venda antecipada cubra pelo menos os custos de implantação da lavoura e que o agricultor faça a comercialização a conta-gotas, no decorrer da safra.

Outra recomendação é que o produtor opte por fazer a venda futura com empresas e cooperativas sólidas, por meio de contratos conferidos até nas “letras miúdas”.

Fonte: Zero Hora