Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

29/08
Com influência da safra americana, soja consolida nova queda na manhã desta 3ª feira na CBOT

Com influência da safra americana, soja consolida nova queda na manhã desta 3ª feira na CBOT

Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros da soja iniciaram a sessão desta terça-feira (29) do lado negativo da tabela. Perto das 8h03 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam desvalorizações entre 5,25 e 6,00 pontos. O novembro/17 era cotado a US$ 9,35 por bushel, enquanto o janeiro/18 trabalhava a US$ 9,44 por bushel.

Conforme dados das agências internacionais, as cotações da oleaginosa permanecem pressionadas negativamente diante da perspectiva de uma grande safra norte-americana. “A turnê do Pro Farmer na semana passada confirmou o bom potencial de colheita para soja e milho, mesmo que os rendimentos estimados estejam ligeiramente abaixo dos últimos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos)”, reportou a Agritel ao Agrimoney.com.

O levantamento realizado pela expedição indicou uma safra próxima de 117,8 milhões de toneladas de soja nesta temporada. No início do mês, o departamento projetou a produção americana em 119 milhões de toneladas.

Além disso, ainda no final da tarde desta segunda-feira, o USDA elevou para 61% o índice de lavouras de soja em boas ou excelentes condições no país. Em torno de 93% das plantações estão em formação de vagens. Na semana passada, o número era de 87%.

Paralelamente, o Agrimoney.com reforça que os preços mais baixos podem atrair compradores. “Ainda nesta segunda-feira, os embarques semanais de soja ficaram em 716,2 mil toneladas”, reportou.

Outro fator que também segue no radar dos participantes do mercado é o Furacão Harvey nos Estados Unidos. “Existe alguma preocupação de que o furacão Harvey possa causar preocupações de qualidade em soja e milho na região do Delta”, afirmou Benson Quinn Commodities, ao Agrimoney.com.

Terry Reilly, da Futures International, também observou que “há alguma preocupação moderada de que as fortes chuvas do furacão, à medida que se movem para o leste na Louisiana e no Mississippi, podem aumentar a preocupação com a qualidade da soja no Delta”.

Por: Fernanda Custódio
Fonte: Notícias Agrícolas