Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

08/05
Coccidiose em terneiros

Coccidiose em terneiros

Podemos afirmar que a pecuária está em um processo de evolução constante onde ha vez mais a informação chega ao homem do campo, seja ela através do rádio, da televisão e, atualmente, principalmente via internet. Devido esse maior acesso à informação, doenças que no passado não eram conhecidas ou pouco diagnosticadas, hoje são considerados pontos críticos de controle e que devem ser devidamente controlados para não causar prejuízos para o produtor.
Uma dessas doenças é a coccidiose, tamem conhecida como curso negro ou eimeriose. A coccidiose é uma doença causada por um parasito, o protozoário Eimeria. Existem várias espécies, porém duas são mais importantes para os bovinos: Eimeria bovis e Eimeria zuernii. Esse parasita está distribuído em todo território nacional. No ambiente fica localizado no solo, pastagem e principalmente água.

Como ocorre a coccidiose nos animais?
Após a entrada da Eimeria no organismo do animal, ela inicia o seu ciclo parasitário. Ela chega ao intestino e inicia o processo de multiplicação dentro das células intestinais. Como isso ocorre de forma rápida, as células não aguentam e acabam se rompendo, ocasionando diversas lesões. E mais, ao eclodir ocorre a liberação de outros parasitos que estavam ali, para fazer o mesmo processo em outras células.

A coccidiose em bovinos, pode se apresentar na forma clínica ou subclínica.

  • Clínica: diarreias que podem ser de intensidades variáveis, com a presença ou não de sangue.
  • Subclínica: apresenta sinais mais brandos. Os animais atingidos por este tipo, demonstram apenas uma queda no consumo de alimentos e conversão alimentar. Sendo assim, o produtor deixa de perceber a enfermidade claramente.
    Dependendo do tipo do protozoário, muda também o período que demora para a doença se manifestar, podendo variar entre 7 e 22 dias.

Sinais clínicos – os principais sinais clínicos da coccidiose bovina são:
•anemia;
•desidratação;
•perda de peso;
•falta de apetite;
•diarreia de coloração escura.

Qual tratamento que podemos realizar nesses animais?
Para promover a melhora da saúde animal, contribuir com o produtor rural e possibilitar alimentos mais saudáveis e seguros, a MSD Saúde Animal lança ao mercado o PANACOXX®, anti-helmíntico e contra coccídios oral para bezerros de leite e corte.
É o único do mercado que controla e previne as duas enfermidades com uma única dose, pois possui uma associação combinada de toltrazuril e fembendazol em dupla ação.
Panacoxx deve ser administrado em bovinos, via oral, na dose de 2 ml para cada 10 kg de peso corporal (PC) em administração única, equivalente a 15 mg de Toltrazuril e 5 mg de fembendazol por kg de peso corporal. Com esse remédio para coccidiose em bezerros, é possível suprimir o desenvolvimento do ciclo de vida dos coccídeos, estimular o sistema imune do animal e prevenir a diarreia associada à infecção

Quando essa patologia é mais frequente?
Embora a eimeriose em bovinos possa ocorrer durante todo o ano, períodos com alto índice de chuvas estão mais relacionados com o aumento dos casos pois em regiões com relevo irregular que ocasionam a coleção de água das chuvas contendo fezes contaminadas oriundas do pasto.
A alta de casos de coccidiose bovina é ainda mais frequente, precoce e severa em criações intensivas de bezerros de leite pois bebedouros e cochos são facilmente contaminados com fezes favorecendo o aparecimento da doença. Estudos indicam que as principais fontes de infecção para bovinos com coccídeos são as áreas sombreadas e úmidas, como aquelas adjacentes aos bebedouros ou camas sujas e molhadas.

Quais são os prejuízos dessa enfermidade?
Apresentando como sinais clínicos a diarreia, o emagrecimento, a anemia e o edema de barbela; o seu prejuízo pode chegar a queda de 20% a 30% na produção de leite e carne.

Como podemos fazer o controle dessa doença: 
Como não é possível a total erradicação da doença, algumas medidas auxiliam na diminuição dos surtos da enfermidade, confira:
– Manter o ambiente limpo;
– Evitar a umidade excessiva;
– Separar os animais por faixa etária;
= Impedir a alta densidade de animais no confinamento;
= Deixar o ambiente limpo, sem o acúmulo de matéria orgânica;
– Utilização do panacoxx.

Mais informações e/ou recomendações sobre este importante assunto, procure nosso Departamento Veterinário da Cotrisoja!