Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

19/04
Adubação Verde

Adubação Verde

A Adubação Verde é uma prática agrícola milenar que aumenta a capacidade produtiva do solo. É uma técnica comprovada por pesquisas, que recupera os solos degradados pelo cultivo, melhora os solos naturalmente pobres e conserva aqueles que já são produtivos.

Consiste no cultivo de plantas em rotação/sucessão/consorciação com as culturas comerciais, que melhoram significativamente os atributos químicos, físicos e biológicos do solo.

Essas plantas denominadas “Adubos Verdes” tem características recicladoras, recuperadoras, protetoras, melhoradoras e condicionadoras do solo. Englobam diversas espécies vegetais, porém a preferência pelas leguminosas está consagrada também pela sua capacidade de fixar nitrogênio.

BENEFÍCIOS:

– Rotação de culturas:

  1. controla nematoides fitoparasitos com espécies não hospedeiras/antagônicas;

  2. reduz a incidência de pragas e doenças nas culturas.

– Cobertura do solo:

  1. cobre o solo com grande quantidade de massa verde em curto espaço de tempo, o que resulta em fitomassa para cobertura morta;

  2. protege o solo contra os agentes da erosão e radiação solar;

  3. diminui a amplitude da variação térmica diuturna do solo;

  4. protege as mudas-plantas contra o vento e radiação solar;

  5. reduz a infestação de ervas daninhas.

– Descompactação, aeração, estruturação e reciclagem de nutrientes:

  1. sistema radicular agressivo que descompacta, estrutura e areja o solo;

  2. recicla os nutrientes lixiviados e perdidos em profundidade;

  3. libera o fósforo fixado.

– Fixação biológica de nitrogênio:

  1. as leguminosas fornecem nitrogênio fixado diretamente da atmosfera, reduzindo a necessidade de adubos nitrogenados;

  2. o nitrogênio da leguminosa ajuda na fixação de carbono no solo e aumenta o teor de matéria orgânica.

    – Produção de fitomassa:

  1. aumenta a matéria orgânica e, consequentemente, a capacidade de armazenamento de água no solo;

  2. reduz os teores de alumínio trocável;

  3. contribui para o sequestro de carbono;

  4. intensifica a atividade biológica do solo;

  5. é matéria prima para compostagem.

RESULTADOS:

Ganho: aumenta a produtividade e melhora a qualidade do produto da atividade agropecuária.


Economia: reduz os custos do consumo de adubo nitrogenado, do controle de ervas daninhas e de nematoides.


Sustentabilidade: recupera e mantém a estabilidade e a durabilidade da capacidade produtiva do solo.

Augusto Schweing – Engenheiro Agrônomo Cotrisoja