Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

14/07
Adubação Nitrogenada em Cereais de Inverno

Adubação Nitrogenada em Cereais de Inverno

A adubação nitrogenada nos Cereais de Inverno deve ser planejada com antecedência, levando em consideração dois fatores: teor de Matéria Orgânica do solo e potencial de investimento do produtor. Com estes fatores determinados, podemos definir a dose de Nitrogênio total a ser aplicada e o parcelamento da mesma.

O Nitrogênio tem forte influência no rendimento dos cereais de inverno (Trigo, Cevada e Aveias), pois pode influenciar diretamente nos componentes do rendimento:

1. Número de Espigas (no caso de Trigo e Cevada) e Panículas (no caso das Aveias);

2. Tamanho de Espigas e Panículas;

3. Número de grãos;

4. Peso de grãos.

A época de aplicação da adubação nitrogenada vai determinar em qual componente será refletido o aumento de produção.

Recomendamos sempre parcelar a dose total de Nitrogênio em duas ou mais aplicações e se possível, utilizar fontes diferentes de Nitrogênio, nas diferentes épocas de aplicação, para minimizar as possíveis perdas.

A primeira aplicação de Nitrogênio deverá ser na semeadura das culturas, esta irá influenciar no crescimento inicial das plantas, causando alguns efeitos bem visíveis, como coloração verde escura das folhas, maior tamanho delas e aumento do número de afilhos ou perfilhos. Esta dose é imprescindível, pois com esta oferta inicial de Nitrogênio, teremos uma lavoura com perfilhos uniformes no mesmo estágio, já que perfilhos tardios não são desejáveis porque não produzem espigas/panículas. Os reflexos no rendimento são aumento no número de espigas/panículas e maior tamanho delas.

A segunda aplicação de Nitrogênio devemos fazer quando as plantas estiverem com 4 folhas (primeiro perfilho recém visível). Esta aplicação, geralmente em cobertura (a lanço) tem a finalidade de manter os benefícios da oferta constante deste nutriente, para as plantas seguirem seu desenvolvimento normal, com alto potencial de rendimento. Os reflexos são aumento do tamanho da futura espiga/panícula e consolidação do número delas por metro quadrado, além da uniformidade na fase de elongação da lavoura.

Estes parcelamentos iniciais da adubação nitrogenada, com a dose ideal, são básicos e de fundamental importância, para os dois primeiros componentes de rendimento (número e tamanho de espigas/panículas).

Como mencionado anteriormente, se o produtor almejar maiores produtividades e estiver com poder de investir um pouco mais na lavoura (este ano o Trigo mostra-se promissor no cenário de preços), pode aumentar a dose de Nitrogênio e o número de aplicações em cobertura, efetuando uma segunda aplicação em cobertura (a lanço) quando as plantas estiverem com 7 folhas (2 a 3 perfilhos bem visíveis), esta aplicação terá maior resposta em solos com baixo teor de Matéria Orgânica, e o seu efeito será no crescimento uniforme dos afilhos, consolidando o aumento do número final de espigas consequentemente aumentando também o número de grãos.

E finalizando o manejo do Nitrogênio nos cereais de inverno, podemos lançar uma terceira aplicação em cobertura (a lanço) quando as plantas estiverem no emborrachamento, esta poderá refletir no peso de grãos e num maior teor de proteína, melhorando a qualidade do produto final.

Para moires esclarecimentos sobre este importante assunto, o Departamento Técnico da COTRISOJA está disponível e preparado para atender os Associados e Clientes da Cooperativa.

A COTRISOJA dispõe de uma variada linha de Fertilizantes Nitrogenados para atender as diversas demandas dos nossos Produtores.