Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

04/04
Adubação biológica reduz custo em lavouras no PR e RS

Adubação biológica reduz custo em lavouras no PR e RS

O solo compactado ao longo dos anos faz com que a soja, o milho, o trigo, e também a cana-de-açúcar, os citrus, o café, as hortaliças e até as pastagens tenham dificuldade para obter um bom enraizamento, impedindo que nutrientes cheguem às folhas e a toda planta. A compactação aumenta os custos diretos e indiretos da produção, já o solo empobrecido precisa de mais e mais adubos químicos para correção. Essa prática tem prejudicado a lavoura ao longo dos anos, mas há um alternativa: optar pelo adubo biológico.

A adubação biológica ajuda na redução de custos em vários tipos de cultura, pois o produtor rural tem utilizado a técnica em consórcio com adubação mineral, gerando ganho de produtividade e de custos tanto na adubação, como de aplicação de produtos de controle de ervas daninhas, por exemplo.

“Com a adubação biológica tivemos redução de custo equivalente a 20 sacos de soja por alqueire, aproximadamente. Nosso balizamento são os produtores vizinhos. Colhemos os dados de produção deles que não usam adubo biológico e tiramos a média”, conta o produtor Linori Lidio Cella, de Toledo, no Paraná.

De acordo com o agricultor Adroaldo Girotto, de Palmeira das Missões (RS), o trabalho realmente tem se mostrado eficiente: “Comecei aplicando a adubação biológica em 40% da propriedade há dois anos e agora estamos em 100% devido à qualidade da terra e do aumento da produção”, declarou Girotto.

O Rio Grande do Sul representa 50 mil hectares de adubação biológica até este momento, segundo Armando Pettinelli, coordenador de uma empresa de produtos biológicos, no estado. Conforme ele, os produtores estão cientes das limitações que o longo tempo de monocultura vêm trazendo para as lavouras. Identificam o principal problema que passa por compactação do solo, pouco enraizamento, pragas de solo, nutrientes retidos e indisponíveis, baixa retenção de água, alto custo de produção, baixa lucratividade.

Fonte: Canal rural