Notícias Cotrisoja

Fique por dentro do que acontece no mercado agrícola regional, nacional e internacional

26/05
A valorização das trabalhadoras rurais é tema de palestra na Cotrisoja

A valorização das trabalhadoras rurais é tema de palestra na Cotrisoja

Na tarde do dia (24), integrantes do Comitê A Força da Mulher Cotrisoja prestigiaram a palestra sobre autoestima e a importância das trabalhadoras rurais, ministrada pela Pedagoga Inque Schneider. O evento aconteceu na sede da Afuco em Tapera.

A abertura do encontro foi realizada pela Diretora Executiva Financeira Gabriela Kirst, que deu boas vindas as presentes, destacando a importância da participação de cada uma no evento proposto. “As atividades desenvolvidas no projeto são para que vocês mulheres se sintam cada vez mais integradas à cooperativa. Queremos encorajá-las a acompanhar e participar cada vez mais das reuniões, das palestras, dos Dias de Campo. Nossa proposta é proporcionar o conhecimento necessário para que possam atuar ativamente no dia a dia da Cotrisoja.

Vejo o Comitê a Força da Mulher Cotrisoja como uma oportunidade das mulheres, que hoje já podem ser consideradas líderes em suas comunidades, estarem se inserindo também cada vez mais nas ações que norteiam a nossa cooperativa. É um orgulho para nós poder contar com o trabalho de todas vocês, falou, em seu pronunciamento, o Vice-Presidente do Conselho de Administração Hermes Leonardo Pedersen.

De acordo com uma das Coordenadoras do Comitê Eunice Portela, o objetivo é engajar cada vez mais mulheres nas ações da Cooperativa Cotrisoja. “O nosso objetivo com a palestra, foi o de mostrar para as mulheres a importância do trabalho realizado por cada uma dentro das propriedades rurais. Queremos incentivar que elas deixem de se sentir meras ajudantes e passem a se reconhecer como trabalhadoras rurais. O objetivo do Comitê é trazer conhecimento para que estas mulheres se engajem mais nas propostas da sociedade, que participem mais, exponham suas opiniões, pois quando a mulher é atuante, ela transforma, coloca delicadeza, amor e coloca o coração. E quando nós mulheres colocamos o coração no que fazemos, as coisas ficam diferentes, ficam mais leves, mais bonitas e, com certeza, conseguimos perceber mais prosperidade.”

A palestrante e também trabalhadora rural Inque Schneider, durante toda a sua fala, destacou o conhecimento como a peça chave para que as mulheres se sintam cada vez mais confiantes e atuantes nas comunidades onde estão inseridas. “Acredito que as mulheres saíram satisfeitas da palestra porque nós trabalhamos o dia a dia delas, fizemos um trabalho para conscientizar estas mulheres que elas são trabalhadoras e não apenas ajudantes em suas propriedades. Porém, para ocupar um espaço dentro da propriedade é preciso ter conhecimento e somos nós que precisamos buscar esse conhecimento sempre. Sentimos que precisamos trazer mais as mulheres para dentro da Cotrisoja, associar mais mulheres à cooperativa. As mulheres trabalham para ajudar a pagar as contas, então elas também tem o direito de opinar, de participar de todas as atividades, inclusive na sua entidade que é a Cotrisoja.

Inque, na sua opinião, as mulheres estão em busca desse espaço?

Eu vejo que as mulheres estão mais abertas, mas, mesmo assim, fico preocupada. Faz 30 anos que eu estou trabalhando com trabalhadoras rurais e os avanços são bem pequenos. Em algumas entidades as mulheres não estão assumindo como deveriam, mas para assumir mesmo, continuo afirmando que as nossas mulheres precisam ter mais conhecimento. Não adianta querer ser líder, ocupar um espaço apenas por status. Devemos liderar para contribuir com as nossas ideias, para ouvir e também para sermos ouvidas.

Acredita que esse avanço a passos lentos se deve a resistência dos homens ou ao receio das mulheres?

As duas coisas. Essa falta de avanço se deve na maioria pelo receio das mulheres e em muitos casos os homens têm medo de perder os seus espaços.

Quais as dicas para que as mulheres possam ser cada vez mais atuantes dentro das suas comunidades, cooperativa e dentro de suas propriedades?

Para que ganhem cada vez mais em paço, em primeiro lugar as mulheres devem se valorizar como trabalhadoras, ter conhecimento, buscar conhecimento e participar. Não adianta ter o desejo de ser presidente da comunidade se não gosta de liderar, tem que ser uma líder que busca conhecimento, que busca compreensão, que sabe ouvir e se fazer ouvir.

Saiba a opinião de quem participou da palestra:

Achei muito importante o tema tratado, pois a palestrante enfatizou num primeiro momento a importância da mulher no campo. Nós mulheres devemos deixar apenas de pilotar fogão, máquina de lavar roupas e fazer a nossa parte como empreendedoras rurais.” Rosangela Castelli – Passo do Padre, Selbach.

A palestra estava muito boa, bem produtiva. Aprendemos bastante, gosto muito das palestras da professora Inque. O tema foi muito bom e ela trabalhou a motivação, a valorização e a autoestima da mulher.Celmira Junges Santa Terezinha, Selbach

Gostei muito da palestra, principalmente quando a Inque falou sobre o cooperativismo e sobre o valor da mulher no campo. Temos o costume de dizer que ajudamos o marido, quando na verdade também trabalhamos. A maioria das pessoas acredita que a mulher só cuida da casa, mas não é verdade, a mulher cuida da ordenha, cuida da horta… A palestrante incentivou a nos valorizarmos como trabalhadoras rurais.Ângela PossaVictor Graeff

A palestra foi maravilhosa. Valeu pena participar porque o tema que ela trouxe, retratou tudo o que acontece na realidade de muitas mulheres, não quero dizer que com todas, mas na realidade de muitas mulheres ainda acontece o que ela falou. O Comitê A Força da Mulher Cotrisoja vai ajudar muito a mulher ter mais coragem em participar e não deixar só o marido chegar na cooperativa. É o meu caso. Nunca participo, mas de agora em diante vou conseguir participar.” Ana Helena Maldaner – Linha Santana, Tapera

Na palestra tivemos a oportunidade de relembrar o passado e perceber como as coisas mudaram. Nós mulheres precisanos conhecer a realidade para ter um posicionamento frente ao que está acontecendo dentro da nossa propriedade, da nossa comunidade e da sociedade e fazer a nossa parte. Isso tudo porque nós também somos parte da família, da comunidade e da sociedade. É muito proveitosa essa iniciativa da Cotrisoja. Cada uma que participou, com certeza vai levar alguma coisa para casa, algum conhecimento, relembrou algumas coisas, se sentiu importante. A oportunidade de mudança e de crescimento esta aí. As mulheres estão conscientes dessas mudanças e com toda certeza estão aproveitando.” Leodete Müller Selbach.